quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Pro Seu Bispo do Rosário

Fazer da vida a lida em toda fé
Da manhã horizonte pra tudo que é meu
Com limites lá pras bandas do infinito
Ter no sonho alimento e pé pra alma
O desejo que fere, confere e não se abala
A certeza da força incerta que se tem que ter
A respiração que só existe enquanto eu ser

Das paisagens do concreto ver o certo detalhe que não há
Do escuro do teto ter céu com pontos pra brilhar
Do que conta-me o mundo ir fundo e sentir pra além de mim
Me fazer existente em frente uma ausência que não tem fim

Dos meus medos, segredos carrego na vida com peso
Das lembranças não rio, do frio que aquieta, corrente de ar preso
Cadeado inválido que solta e demarca o que é livre
Mãos geladas, peitos impuros, olhos cegos, corações que fingem

Brilhe
Comova, envolva, resgate o outro por você
Devolva a fé, a verdade, a coragem de querer
Liberte-se, eleve-se e leve-se pro seu devido lugar.