domingo, 26 de abril de 2015

Vazio


Nos últimos dias vaguei mais do que de costume
Desviei mais
Procurei mais
Perdi mais tempo

Nos últimos dias falei menos que deveria
Briguei menos
Sorri menos
Fugi do vento

Hoje caminho tão cheia que me arrasto por entre as vielas das minhas idéias
Pesada, lenta
Sem espaço em mim para mais nada além do vazio
Vazio é coisa que preenche
Mas não mata a fome
É coisa que pesa
Mas não esquenta

Tô indo!
É criança chamando
Deve ser sede
Sede é coisa que eu gosto em criança
Criança tem sede de tudo
Eu já tive também
Mas a vida vai aguando a sede
Até que um dia a gente se contenta só com água
Sem cor, sem gosto
Só mesmo pra matar a sede

Nos últimos dias vaguei mais do que de costume e falei menos do que deveria
Mas é porque ando tão cheia desse vazio, que me arrasto devagar.